Home / Ensaios / Ensaio Abarth 695 Rivale

Ensaio Abarth 695 Rivale

Abarth 695 Rivale. Chegou a hora de sentir a picada do tão famoso e endiabrado Escorpião do mundo automóvel.

Neste ensaio não se trata “apenas” de um Abarth. Trata-se sim de um 695 Rivale, uma série limitada e bastante especial, que une a tradição e a inovação de dois grandes nomes da indústria italiana. Carlo Abarth, fundador da marca do escorpião, e Carlo Riva, criador da marca das embarcações e iates de luxo.

E foi a evolução natural de dois percursos completamente distintos que inspiraram à criação deste Abarth que possui fatores incontornáveis, como tradição, elegância e inovação. O resultado? Uma harmoniosa união, que se evidencia logo na paleta de cores da única pintura disponível para o 695 Rivale. A combinação entre o Cinzento, na parte inferior, e o Azul Riva, na parte superior, separados por duas linhas ténue em azul aquamarina, como elogio às lendas do asfalto e do mar.

Continuando no exterior, na dianteira é impossível não reparar no robusto para-choques desportivo que além de exibir orgulhosamente o emblema do escorpião, conta ainda com generosas entradas de ar laterais. Já na traseira, o difusor alberga umas enormes saídas do sistema escape Akaprovic (com válvula ativa) que fazem as delicias de qualquer petrolhead e que até à data ainda só foi colocado nas versões 695, tanto no Biposto como no XSR. Destacam-se ainda as exclusivas jantes Supersport de 17” e o tejadilho em lona retrátil que nos permite conduzir a céu aberto, como se estivéssemos aos comandos de um Riva, trocando apenas o barulho das ondas do mar pelo incrível som de escape.

Já no interior, é aqui que as coisas ficam mais “Riva” (ou luxuoso, se preferirem), com a conjugação da pele azul dos bancos desportivos com alguns pormenores em madeira (tablier, manete das mudanças, entre outros), e até onde a placa personalizada está afixada com parafusos idênticos aos que se utilizam na construção dos iates da marca. No que diz respeito ao sistema de infotainment, temos um bom sistema de navegação, capacidade de integração com smartphones (Apple CarPlay e Android Auto) e acesso ao sistema UConnected.

Mas vá, passemos ao que realmente interessa: o derradeiro prazer de condução, que é o grande propósito de cada Abarth construído. Não se deixem enganar pelo aspeto amigável de “500” ou pela curta distância entre eixos. As suspensões KONI colam-nos ao alcatrão e a tecnologia Eibach permite que o veiculo se adapte na perfeição ao piso. As curvas são feitas com decisão, ao milímetro! Assim como é tão fácil dosear e abusar dos travões ventilados e perfurados Brembo, sempre eficazes. O motor é um 1.4 T-JET a gasolina de 180 cv e é auxiliado por um verdadeiro turbo à antiga, e que cada vez que entra na sua potência máxima é preciso ter o volante bem seguro pois a potência ao serviço do nosso pé direito surpreende imenso. Acoplado temos uma caixa manual de 5 velocidades bem escalonada e capaz de surpreender em percursos extra urbanos, o que não me fez sentir falta de uma “sexta mudança”. Fora do modo Sport, o bloco garante suavidade e a entrega de potência fica bem mais acanhada, ideal para uma condução mais descontraída. Ou seja, em termos dinâmicos e mecânicos, estamos perante um excelente automóvel!

Concluíndo, ao longo destes últimos dias, consegui perceber e aprender muitas coisas novas. O facto de ver tantos 500 a rodar no dia-a-dia, pois é um automóvel fantástico e inclusive, acreditem que há um clube de culto a estes pequenos automóveis (vocês não estão bem a ver a quantidade de «thumbs up» e sorrisos que recebi de outros condutores do mítico Fiat 500 e até mesmo de 2 ou 3 Abarth com que me cruzei), e claro, o espírito endiabrado de um verdadeiro Abarth. Tão pequeno, mas tão cheio de alma! O preço da gama Abarth 595 começa na casa dos 25.000€, enquanto este 695 vai para os 34.000€ (os mais cerca 10.000€ valem a pena, acreditem!), o que pode parecer muito… até poderem conduzir um! Aí vão ver que vale cada cêntimo.

About Marco C.

O Marco é um entusiasta automóvel e cresceu rodeado de "Leões". Ainda mal conseguia pronunciar a palavra gasolina e já era um apaixonado por automóveis. Hoje em dia anseia por mostrar a sua garra na "selva" do mundo automóvel e conduzir a sua paixão o mais longe possível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *