Home / Ensaios / Ensaio Dacia Duster Prestige dCi 4×2

Ensaio Dacia Duster Prestige dCi 4×2

O Novo Dacia Duster é uma evolução enorme em relação ao seu antecessor e uma prova viva de que a fiabilidade e o custo acessível num automóvel podem andar de mão dada.

E a verdade é que desde 1999, altura em que o Grupo Renault adquiriu grande parte do capital da Dacia, o sucesso dos seus modelos tem subido em flecha e não só, a marca romena também integra o top 5 de algumas associações de consumidores no que diz respeito à fiabilidade, robustez, economia e relação qualidade-preço imbatível.

Esteticamente, as operações foram cirúrgicas. O novo Dacia Duster continua fácil de ser identificado como tal, mas ganhou novos detalhes que o afastam daquele aspeto “low-cost” como existia na anterior geração. Agora contamos com uma nova assinatura luminosa tanto na dianteira como na traseira, novas jantes e um engraçado apontamento dinâmico, na lateral, junto à roda dianteira, que facilmente o distingue do antigo modelo.

Já no seu interior, é onde está toda a magia deste novo modelo. O espaço a bordo melhorou imenso, os novos assentos são mais confortáveis, a ergonomia da posição de condução progrediu, tudo está mais bem desenhado, e apesar de todos os plásticos continuarem duros ao toque, a sua qualidade de montagem também foi aprimorada. Outro grande destaque é a bagageira onde dispomos de uma capacidade de 445 litros (1478l com os bancos traseiros rebatidos), suficiente para levar toda a família de férias e com grande conforto. A nível do infotainment, o sistema é bastante humilde, funciona bem e cumpre com todas as suas obrigações q.b.

O que se mantém praticamente inalterável são as suas suspensões e o seu chassi, que apenas recebeu um aumento de rigidez estrutural de forma a absorver melhor um impacto (em caso de acidente). Mas acreditem que o novo Dacia Duster está bem mais agradável de se conduzir e continua a ser o melhor aventureiro fora de estrada dentro do seu segmento, principalmente se optarmos pela versão 4×4, disponível apenas com o bloco 1.5 dCi.

No caso do nosso ensaio, a versão escolhida é a Prestige, equipada com o bloco 1.5 dCi 110, com a configuração de tração 4×2. Esta motorização já foi testada por mim mais do que uma vez e embora não seja um poço de potência, é sim um poço de economia, onde é fácil conseguir consumos abaixo dos 5 litros em percursos extra-urbanos. Durante este ensaio, o percurso foi maioritariamente urbano, com o AC sempre no máximo (não existe outra forma de aguentar os 47º que andam por Évora) e a média registada é de 5.8l/100km.

Resumindo, é fácil perceber porque é que cada vez é mais comum cruzar com outros Duster na estrada. Trata-se de um automóvel que cumpre bem com todas as suas obrigações familiares e tecnológicas, por um preço bastante agressivo face à concorrência. Nesta versão Prestige contamos ainda com um vasto nível de equipamento, tais como o sistema de câmaras 360º, sistema keyless (apenas necessita da presença do cartão para trancar/destrancar e ligar o motor), quatro vidros elétricos, sensores de estacionamento traseiros, estofos em couro, luz diurna LED, vidros escurecidos, ar-condicionado automático, sistema de ajuda ao arranque em subida, sistema de alerta do ângulo morto e muito mais, por um preço desde 18.400€, ou de 22.700€ no caso desta unidade ensaiada, com motor diesel e full extras.

About Marco C.

O Marco é um entusiasta automóvel e cresceu rodeado de "Leões". Ainda mal conseguia pronunciar a palavra gasolina e já era um apaixonado por automóveis. Hoje em dia anseia por mostrar a sua garra na "selva" do mundo automóvel e conduzir a sua paixão o mais longe possível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *